16 novembro 2010

SERÁ?

Será que ainda alguém passa por aqui a ler o que escrevi em tempos?
São temas intemporais é certo... nunca gostei muito de escrever, já o disse.
Mas é mesmo por algum descuido que nunca mais aqui voltei.
Apenas passei por aqui para disser que ainda por aqui ando, com as mesmas ideias e sem stresses ;)

Muitos concordarão comigo? não sei...

24 março 2008

De Regresso...

Sabes qual é o resultado do cruzamento de um Jeová com um Ateu??

R: Um gajo que nos bate à porta sem motivo nenhum.

02 outubro 2007

PROFISSÃO MAIS ANTIGA DO MUNDO

Dizem que a profissão mais antiga do mundo foi a prostituição. Não
posso concordar. Até porque não havia dinheiro quando o mundo começou,
e se para o homem bastava dar com uma moca na cabeça da mulher e
arrastá-la para a sua caverna, porque carga de água haveria de pagar?
Dizem então que a primeira profissão deve ter sido um dos trabalhos
mais básicos, como agricultura ou caça. Embora concorde que tenham
sido das primeiras profissões, a primeira não foram, até porque no
início não havia ferramentas para agricultura nem armas para caçar.

Sugerem então que tenha sido o ensino. Mas para ensinar é preciso
aprender. É a história de quem veio primeiro, o ovo ou a galinha.
Neste caso, o estudante ou o professor. Ninguém nasce ensinado, logo
teria de estudar primeiro. Mas no início não acredito que o homem
tenha partido para esta actividade assim de arranque.

Temos de nos colocar na pele desse primeiro homem para perceber.
Então, o homem aparece. Um homem, sozinho, sem saber o que
fazer. Qual a sua primeira iniciativa? Obviamente, coça os tomates.
Assim sendo, a primeira profissão do mundo foi claramente...
funcionário público!

09 julho 2007

CONTOS DE FADAS

Ninguém pensa em respeitar uma pessoa que acredita que é literalmente possível que alguém que se pica num dedo se pode transformar num sapo, ou qualquer coisa assim do género.

Ora, o que é verdade é que as coisas em que as pessoas religiosas acreditam são, em cada pequeno pormenor, tão absurdas como qualquer conto de fadas.

No entanto, as pessoas religiosas exigem-nos que nós as respeitemos - a elas e às suas crenças - somente porque um dia resolveram chamar "religião" àquilo em que acreditam, em vez de lhes chamarem antes, muito simplesmente... "contos de fadas".

LINK

CENSURA

Eu acho que a censura existiu sempre e provavelmente vai existir sempre. A censura existe de todas as maneiras, porque todas as pessoas, nos diferentes níveis de intervenção em que se encontram, por boas ou más razões, seleccionam, escolhem, apagam, fazem sobressair. E isso são actos de ocultação ou de evidenciação que, no fundo, em alguns casos, são actos formais de censura.

23 maio 2007

L'Internationale

Este hino agora com 136 anos continua extremamente actual.
Escrito em 1871 por Eugène Pottier e muitas vezes associado ao movimento socialista e comunista mas esta musica e um alerta e a chamada a comunhao de ideais de a accao sobre esses ideais de todos os que sofrem opressao de qualquer forma. E uma ideia que pode ser abracada por todos seja qual for o sistema politico que desejam. A ideia comum e que ninguem eleito ou nao imponha o seu poder para oprimir ou para proveito proprio.
Leiam a letra do hino e e facil compreender porque cada vez mais faz sentido este hino, e porque nao e um hino comunista ou socialista mas sim para todos os humanistas, democratas, etc.

Hino

Podem encontrar a letra em varias versoes e linguas aqui, sera tambem talvez interessante para ver como cada um apropria a musica.
Este site contem a musica em varias versoes, incluindo duas portuguesas.

14 maio 2007

Cientologia? Mais uma religiao...

Estou a ouvir a BBC 5Live e estao a falar acerca da Cientologia na sequencia de uma entrevista polemica.

Parece-me mais uma religiao como qualquer outra. Com todos os seus defeitos, crencas extremamente improvaveis, ficcao cientifica, recolhem uma especie de dizimo, pressionam e ameacam quem discorda com eles, etc. E as suas beneces, as pessoas dizem que a religiao as ajudou na sua vida, e quem pode contrariar isso?

A mim, realmente so me faz especie usarem o termo Cientologia, a mim nao me parece suficiente o facto que de usarem uma metodologia para a ajudarem as pessoas seja suficiente para usarem um termo que os possa confudir com ciencia.

Para saber algo mais sobre cientologia: http://en.wikipedia.org/wiki/Scientology

Desculpem pela falta de acentos

A certo ponto a discussao parecia tender para a comparacao e a afirmacao de que a cientologia (religiao nao reconhecida no UK) seria pior ou menor do que as outras religioes, ao que o moderador muito bem se lembrou dum sketch no The Daily Show do Jon Stewart, em que a certo ponto se fala acerca da crenca da cientologia: Xenu, um lider extraterrestre da Confederacao galatica, ha 75 milhoes de anos trouxe bilioes de pessoas para a terra em naves espaciais. Tipo um bocado dificil de acreditar, "se ao menos tivessem um arbusto em chamas que fala, sempre seria mais credivel..."
Vejam o scketch: http://www.comedycentral.com/sitewide/media_player/play.jhtml?itemId=16763

11 maio 2007

O PAPA E A IGREJA

Na sua actual visita ao Brasil o Papa continua na sua jornada incansável e afirma que a sociedade cada vez mais ridiculariza a santidade do matrimónio e a virgindade antes do casamento.
"O mundo precisa de vidas limpas, de almas claras, de inteligências simples que rejeitem ser consideradas criaturas objecto de prazer"

Felizmente que eu guardo o maior desprezo para uma aquilo que eu considero das piores ideologias que existem pois contribuem para uma enorme infelicidade daqueles que tentam seguir os ditames e os padrões ridículos que a igreja desde sempre impôs na sociedade.
A igreja não existe para ajudar ninguém a alcançar a verdade sobre a vida; apenas existe para dominar os Homens e a sua vida em toda a amplitude. Felizmente que vivemos numa sociedade que tende a valorizar a liberdade e o individuo pois ao longo da história, onde a igreja tem poder verificam-se grandes atropelos à dignidade das pessoas.
Porquê toda esta aversão ao prazer? Bem vistas as coisas a prostituição não é propriamente a profissão mais velha do mundo. Por mero acaso vi hoje um programa que passou na rtp2 sobre a forma como a sociedade encara o sexo ao longo da história e os bordeis surgiram pela primeira vez no reino unido ao tentarem imitar os banhos públicos tão populares nos países pagãos com a pequena diferença de misturar homens com mulheres. A prostituição como a conhecemos hoje evoluiu porque os impérios cristãos ao explorar as terras de povos pagãos deparavam-se com uma cultura do sexo muito mais aberta e isso aliado à necessidade de saciar os grandes exércitos fez com que entrasse em moda enviar prostitutas ás centenas para acompanhar o exercito. Coisa que ainda recentemente foi discutida no parlamento de um país que não me lembro qual.
Os figuras dos deuses dos povos pagãos tinham todos um carácter sexual explicito, simbolo de fertilidade, e foi o cristianismo que inventou toda esta aversão ao sexo por oposição ao paganismo.

Para mim, ao contrário da opinião da maioria, a ideologia cristã (e qualquer ideologia religiosa pois todas se baseiam nas mesmas ideias) é altamente prejudicial pois promove um estilo de vida que não leva em consideração as nossas verdadeiras necessidades. É ridículo incutir sentimentos de culpa em relação ao sexo, promover a monogamia quando fantasiamos de vez em quando coisas diferentes, mitigar a masturbação, sexo antes do casamento, aliás: o próprio casamento era proibido nos primeiros tempos do império do cristianismo. Pois o casamento na época era apenas um contrato social sem qualquer valor religioso. A invenção do santo sacramento foi uma maneira de se adaptar à inegável vontade da sociedade.

Em boa verdade acredito que grande parte do negócio do sexo que, para católicos e mesmo para ateus como eu, incita estilos de vida pouco recomendáveis, como a prostituição, sobrevalorização do sexo, pouca afectividade, etc... deve-se precisamente ao sentimento de culpa incutido pela nossa cultura cristã. Pois se podemos ter sexo de borla para quê pagar? O sexo só pode ser negócio em sociedades doentias como a nossa, em que muita gente quer ser padre de dia e playboy á noite. Se as pessoas assumissem as suas necessidades sem preconceitos então seria muito mais fácil encontrar parceiro em vez de seguir o caminho "fácil" de ligar para um numero de relax. Não faz sentido promover o amor platónico para toda a vida e os bons costumes. Faz falta uma sociedade em que se aceite que cada um tenha a experiência sexual que bem entender desde que não prejudique/ engane ninguém : homossexuais, casais swingers ,fetichistas, etc... Afinal 99% das pessoas criticam este tipo de comportamentos e, por exemplo, os clientes das prostitutas são maioritariamente casados. Onde está o bom senso? Vivemos numa sociedade da treta. Se querem ter vários parceiros tudo bem. Mas seja qual for a vontade de cada um, não é necessário enganar ninguém e construir uma família de faz-de-conta que só é feliz aos olhos dos outros.

P.S. Falta comentar o triste episódio da polémica à volta dos patrocínios do mapa de peregrinação a Fátima. Mais uma demonstração da triste ignorância de certas pessoas. Afinal eram SexShops. O que tem de mal? É um negócio que pode (e deve ;) ) ser usufruído por pessoas casadas. Não promove este ou aquele tipo de prática sexual. Se fosse patrocinado por bordeis, isso sim, ainda se compreendia a indignação.

Com isto tudo não imaginem que eu ponho todo este liberalismo, extremo para alguns, em acção nem a minha casa é um bordel. Nem só o que eu faço é correcto e toda a gente deveria ver o mundo desta maneira. Cada um deve ter o estilo de vida que desejar sem qualquer pressão social e para isso é preciso aceitar as diferenças. Se eu não gosto de determinado tipo de pessoas simplesmente afasto-me; não tenho que colidir com ninguém nem tentar converter o mundo. E a igreja representa precisamente o oposto desta minha filosofia.

11 abril 2007

Ética e Política

Qual a diferença entre a atitude ética e a atitude politica?

Ambas são formas de considerar o que temos que fazer mas a ética é acima de tudo uma perspectiva pessoal que cada individuo assume tendo apenas em atenção aquilo que é melhor para si em termos de vida boa, sem esperar convencer os demais de que é desse modo que se torna humanamente mais satisfatório viver. Em ética podemos dizer que o importante é estarmos de acordo com a nossa própria pessoa e termos a coragem de agirmos em consequência. Em contrapartida a atitude politica visa o acordo com os demais, a coordenação, a organização entre muitos do que a muitos afecta. Quando penso moralmente é só a mim que tenho de convencer, em politica, é imprescindível que convença ou me deixe convencer por outros. Em politica tenho que contar com a vontade de numerosos outros, motivo pelo qual é quase sempre muito difícil à ‘boa intenção’ dar um bom caminho e o tempo se revela um factor importante, capaz de desfigurar o que tinha começado bem ou de atrasar definitivamente o que queríamos alcançar. No terreno ético a liberdade do indivíduo resolve-se em puras acções ao passo que em politica se trata de criar instituições, leis e formas duradouras de administração… mecanismos delicados que nunca funcionam exactamente como esperamos, infelizmente! A decisão politica é aquela que mais agrada a quem decide. Não tem um valor moral nem tem necessariamente qualquer principio ético por isso as más políticas abundam.

Portanto e em conclusão, muitas das vezes eu pergunto-me porque a nossa sociedade dá tanto valor à política. Porque tanta gente é punida sem que no entanto tenha efectivamente prejudicado alguém. Porque em tantos países as injustiças e a corrupção perduram enquanto que o povo vive a sua vida como se ser bom cidadão fosse um dever em qualquer circunstância. Eu não sou anarca mas quase. Penso que só faz sentido eu abdicar de alguma liberdade para ser bom cidadão se a sociedade for benéfica para mim e para todos. Pois como eu gosto de dizer, quando a ordem é injusta a desordem já é um principio de justiça. Muita gente confunde política com moral ou ética e a realidade diz-nos coisas muito diferentes...a política nada tem de moral... só por acaso é que coincide pois acima de tudo a política espelha os interesses de quem toma as decisões.

27 março 2007

"Grandes Portugueses", grande ...

Um bom dia a todos.

Ignoremos por momentos que este concurso e' uma parvoice, que a estrutura e' errada e que leva 'a mais absurda subjectividade.
Ignoremos isso tudo e olhemos para os resultados.
Sim, mesmo numa escala onde empresarios, estadistas, escritores, actores e demais estao todos metidos no mesmo saco, como se fossem iguais, como se o seu efeito fosse o mesmo na historia e cultura de um pais.
Facamos de conta que isto faz algum sentido e vejamos alguns aspectos da a ordenacao final.

Pinto da Costa, com todo o merito dado 'as suas capacidades de se "desenrascar" (termo que uso para denominar tudo o que tera' eventualmente feito a favor do FCP) como dirigente desportivo, esta' a frente duma lista de portgueses admiraveis, muito mais do que ele. E' um absurdo.
Continuando na linha das aberracoes da lista: Helio Pestana. O jovem pode ate ser bom actor (se sim, ainda nao o demonstrou), mas nao e' por isso que recebeu os votos que o colocaram na lista dos 100 +.
Apenas este seria suficiente exemplo para demonstrar a idiotice dos resultados.

Mas outro exemplo, muito eloquente tambem e' o dos dois primeiros classificados: Salazar e Cunhal, respectivamente. Esta classificacao pode demonstrar uma de duas coisa, ou o povo portugues e' inteligente e pacatamente ignorou esta parvoice como exercicio de ma' televisao ou entao isto e' uma demonstracao real de como as pessoas pensam e nesse caso estamos mal, muito mal.

Se o primeiro caso corresponde 'a realidade entao claramente coube 'as adolescentes, a quem nao tinha mas nada que fazer a 60 cts+ IVA, e aos extremistas famigerados por uma medalhinha de primeiro lugar, organizar este ranking. Neste caso nao fiquemos chocados com quem ganhou e com quem perdeu. "Grande Portugues?" pode ser muita coisa, nas varias possiveis interpretacoes e na sua soma (se tal fosse possivel) concordo inclusive com uma vitoria de Salazar sobre Cunhal.
No caso de se verificar o segundo caso... Onde e' que tem a cabeca... Se e' para meter tudo no mesmo saco vamos pelo menos usar um denominador comum que faca sentido do tipo relevancia na cultura portuguesa + marca do pais no mundo.
Deste modo Figo (Mourinho, Pinto da Costa,...) e o papel que o futebol toma na divulgacao e engrandecimento do pais la fora e' comparavel (mas nao igual) ao papel de um escritor como Saramago (Gil Vicente, Lobo Antunes,...) ou a um cientista como Egas Moniz (Pedro Nunes,...) ao de um Politico (Reis, Salazar, Soares , Cunhal,...).
Se pensarmos nestes modos quem mais marcou este pais senao os nossos Reis das Descobertas e os navegadores que estes empregaram ou o Infante que os educou? Ou Camoes cuja obra sera' a mais transversal 'a sociedade Portuguesa e que mais marca o nosso imaginario colectivo. E portanto que fazem aquelas aberracoes no ranking?
Podem contra-argumentar e com devida razao que o Portugal actualmente e' o Portugal pequeno estado democrata e europeu, pelo que o merito sera' do governos pos-revolucao. E podem ainda dizer que a cultura Portuguesa para a qual caminhamos e cada vez menos "portuguesa" ... O que nos leva ao ponto inicial de que este concurso e estas comparacoes sao idiotice.

Ao fim e ao cabo, este exercicio ate' tera tido, para alguns, um aspecto bastante positivo: o de relembrar a historia e as biografias de alguns "grandes portugueses", o que e sempre util neste pais.

Claro que se ja se faz e vai fazer ainda mais, o aproveitamento politico e jornalistico disto. Como se de repente aparece-se uma extrema direita em Portugal. Como se o facto de alguem nao repodiar e demonizar Salazar fosse uma ameaca as nossas liberdades.
Essa e' a nossa liberdade! Nao devemos ter medo daquilo que discordamos, mas sim do facto de nao percebermos nem querermos perceber o como e o porque dessas opinioes. O perigo das democracias nao e' a hipotese dos meritos e poderes serem atribuidos aqueles a quem os meritos nao sao reconheciveis e a quem a posse do poder nao e merecida. O perigo das democracias sao as massas nao informadas. As massas nao informadas...

Talvez seja util referir, para contextualizar ou para arranjar achas para a fogueira (depende de voces) que tenho 25 anos, estou a viver na Escocia 'a 6 meses (dai a falta de acentos...), diria que me situo politicamente na esquerda e sou adepto do SLB.

Fiquem bem.

16 março 2007

VIDA

Nós vivemos da nossa vida um fragmento tão breve. Não é da vida geral - é da nossa. É em primeiro lugar a restrita porção do que em cada elemento haveria para viver. Porque em cada um desses elementos há a intensidade com o que poderíamos viver, a profundeza, as ramificações. Nós vivemos à superfície de tudo na parte deslizante, a que é facilidade e fuga. O resto prende-se irremediavelmente ao escuro do esquecimento e distracção. Mas há sobretudo a zona incomensurável dos possíveis que não poderemos viver. Porque em cada instante, a cada opção que fazemos, a cada opção que faz o destino por nós, correspondem as inumeráveis opções que nada para nós poderá fazer. Um golpe de sorte ou de azar, o acaso de um encontro, de um lance, de uma falência ou benefício fazem-nos eliminar toda uma rede de caminhos para se percorrer um só. Em cada momento há inúmeros possíveis, favoráveis ou desfavoráveis, diante de nós. Mas é um só o que se escolheu ou nos calhou.

Assim durante a vida vão-nos ficando para trás mil soluções que se abandonaram e não poderão jamais fazer parte da nossa vida. Regresso à minha infância e entonteço com as milhentas possibilidades que se me puseram de parte. Regresso à juventude, à idade adulta, ao simples dia de ontem e a infinidade de soluções que não adoptei dava para um mundo de vidas. Foi uma só. Nela realizei, num único percurso, aquilo que constituiu o todo de uma vida humana. E todavia, nessa estreiteza de ser está o infinito de mim. Deus é a simplicidade absoluta e tem o máximo de ser. Nós conhecemos em nós esse máximo e é por isso que ao Deus o soubemos inventar.

Vergílio Ferreira, in 'Conta-Corrente 4' (http://citador.weblog.com.pt/)

A LIBERDADE DE ESCOLHA

Realmente, se um dia de facto se descobrisse uma fórmula para todos os nossos desejos e caprichos - isto é, uma explicação do que é que eles dependem, por que leis se regem, como se desenvolvem, a que é que eles ambicionam num caso e noutro e por aí fora, isto é uma fórmula matemática exacta - então, muito provavelmente, o homem deixaria imediatamente de sentir desejo.
Pois quem aceitaria escolher por regras? Além disso, o ser humano seria imediatamente transformado numa peça de um orgão ou algo do género; o que é um homem sem desejos, sem liberdade de desejo e de escolha, senão uma peça num orgão?

Fiodor Dostoievski, in "Cadernos do Subterrâneo" (http://citador.weblog.com.pt/)

25 fevereiro 2007

Evolução da Religião

Professor Daniel C. Dennett a discutir a evoluçao da Religião numa das "aulas" parte de "Nature of Knowledge Lectures" da Universidade de Edinburgo.

Podem ouvir a aula aqui.

Bom proveito!