12 dezembro 2005

CASAMENTO HOMOSSEXUAL – PARTE 1 DE 2

A liberdade consiste na ausência de coerção.

Com que direito é que um grupo de opinião, seja ele qual for, poderá obrigar os outros a seguirem uma determinada via? Na sociedade actual assistimos a vários atentados contra a liberdade – contra qualquer tipo de liberdade­; a problemática da homossexualidade é exemplo disso.

Os fundamentalistas que recusam a ideia de legalizar o casamento entre homossexuais costumam apresentar argumentos pouco lógicos em sua defesa:

-Há aqueles que se esquivam do problema dizendo que existem questões mais importantes com que se preocupar, refiro-me por exemplo ao Cavaco Silva no debate com o Francisco Louçã. Ora claro que existem problemas mais importantes para resolver, tudo bem. Mas se formos a seguir esse raciocínio então as 28 mil crianças que morrem diariamente (em todo o mundo) de causas directamente ligadas á pobreza extrema é um assunto bem mais prioritário do que o défice português, o aeroporto da Ota ou o TGV; a quase metade da população mundial que vive com menos de 2 dólares por dia penso também ser uma prioridade em relação a investimentos nas forças armadas que, caso não saibam, foi a única área do sector público onde houve aumento do número de efectivos.

-“O homem foi feito para a mulher” – se isto é um argumento eu vou ali e já volto…para começar dizer que “alguém foi feito…” implica de alguma forma a crença em deus ou qualquer conceito abstracto do género. Mas se formos a seguir esta linha de pensamento imaginemos a seguinte situação: os meus pais fizeram-me com o objectivo de, atingindo eu os 16 anos, ser vendido ou doado para transplante de órgãos. Portanto eu fui feito para morrer em prol da salvação da vida a alguém. Sabendo eu disto e não sendo esta a minha vontade não terei o direito de me opor? Não será sensato que eu tente viver a vida segundo os meus princípios e objectivos desde que não prejudique ninguém? Será moralmente incorrecto seguir a minha vontade? Deverá a sociedade coagir-me a satisfazer a vontade de quem me criou? Para mim é um claro NÃO! Portanto quem acha que foi deus que nos criou tem que pensar com que legitimidade esse deus nos pode dizer o que está certo e o que está errado sem levar em linha de conta os nossos próprios interesses. A busca dos interesses humanos – para os indivíduos e para a sociedade – é o grande objectivo das leis e da ética.

-“A homossexualidade não é natural” – uma perspectiva mais darwinista do argumento anterior. Como podemos imaginar um mundo onde toda a gente fosse igual e se comportasse da mesma maneira? E apenas o comportamento maioritário é que é natural? Não faz sentido! Se nós temos um dado com seis faces numeradas diferentes, para muitos lançamentos é de esperar que ocorram todos os acontecimentos possíveis… se tivéssemos 2 dados e os lançássemos repetidamente seria de esperar obter todas as combinações possíveis de faces… portanto se um homem pode querer uma mulher, duas mulheres, outro homem, etc.… se estas são as combinações possíveis então é natural que elas ocorram; num mundo onde existem biliões de pessoas antinatural seria se isto não acontecesse. Se a maioria das pessoas é heterossexual isso deverá ter uma explicação genética da mesma forma que a maioria das pessoas tem olhos castanhos.

(to be continued…)




6 comentários:

agent disse...

Oh Zombie, mais uma vez, disseste tudo ou quase tudo, pois quero ler essa 2ª parte.
1 abraço

PS - Também há quem goste de misturar e baralhar pensamentos e misture homossexualidade com pedofilia, como se estes dois conceitos fossem ambos orientações sexuais.

edumad disse...

oh, agent mas são os dois orientações sexuais, tal como o é a heterosexualidade. Ou não?...
As pessoas misturam as coisa porque os casos mediáticos mais fresco na memória é o da casa pia onde meninos foram molestados por homens.

Pessoalmente concordo com o Cavaco Silva, à coisas mais importantes a discutir, infelizmente dúvido que concordaria sobre o que ele acha mais importante...

agent disse...

A pedofilia nunca foi, é ou será uma orientação sexual. Basta pensarmos que quem está aqui envolvido não são dois adultos (conscientes), para chegarmos à conclusão que tal não passa de uma perversão.

Para o Cavaco e a direita católica em geral eu explico por outras palavras:
"a homossexualidade é uma doença incurável que não pode ser tolerada por nenhum bom cristão; a pedofilia é um problema conjuntural que se resolve mudando o padre de freguesia"!

Engenheiro Bertinho disse...

agent: a tua explicação ta mt boa :) - tu e o edumad tocaram numa questao ainda mais polémica...será a pedofilia uma orientaçao sexual? "orientação" quer dizer "preferencia" portanto a pedofilia é uma orientação sexual mas um pedofilo é aquele q gosta de crianças: gostar nao implica violar tal como ser homem heterossexual nao justifica a violação de mulheres adultas... a violação não é o efeito de esta ou aquela orientação sexual. Nao podemos tratar os pedofilos como preversos... é preciso que haja alguma aceitação social para que os pedofilos tenham coragem de falar com os medicos e psicologos para resolver a situação a bem pois ser pedofilo por si só nao é uma preversão. A pedofilia ao contrário das outras orientações nao é desejavel pois o pedofilo nao poderá por em pratica as suas fantasias sem causar prejuizo. Mas chamar a isso preversão acho desnecessário.

Engenheiro Bertinho disse...

edumad... eu tambem acho q ha muitas outras coisas mais importantes a discutir...se leres o meu post novamente vais perceber o q eu considero mais importante... mas isso nao é motivo para deixar os "detalhes" intocaveis. Para mim as medidas sociais sao mais importantes que as economicas pois hoje em dia vivemos numa sociedade que vive em função do dinheiro e trata o dinheiro como o bem mais precioso a cuidar... cavaco silva parece ser um desses. As minhas ideologias vao de encontro ás ideias do bloco de esquerda e do partido humanista por exemplo.

edumad disse...

Percebo perfeitamente, o que eu queria dizer é que prefiro ver toda a gente com emprego e bom nivel de vida porque assim as outras questões ficam mais fáceis de resolver. Se pensarem em termos de tensões sociais isto faz todo o sentido.

Sendo orientção sexual aquilo que te excita sexualmente então até a pedofilia é uma orientação. Como o são a bestialidade e necrofilia. No entanto estas preferências nada tem a ver com a hetero e homosexualidade que o como o agent muito bem disse originam relações entre adultos conscientes.